PAIS & FILHOS - SUCESSOS & DESAFIOS - EDUCAÇÃO & TRABALHO


A educação escolar dos filhos e posterior ingresso no mercado de trabalho são sempre uma fonte de expetativas, sonhos ou preocupações para os pais.
A sociedade actual está cada vez mais exigente quanto a qualificações e competências. Simultaneamente, há uma elevada taxa de insucesso e abandono escolar e, também, uma, cada vez maior, dificuldade em entrar no mercado de trabalho, mesmo para os detentores de cursos universitários, quer seja na área específica de formação, ou não.
O conhecimento da Oferta e da taxa de empregabilidade de cada curso, bem como a reflexão sobre  as aptidões e gostos pessoais são fundamentais para uma escolha adequada da via de ensino, educação/formação, que tenha boas hipóteses de empregabilidade e que possa conduzir à realização pessoal.
Este conhecimento e reflexão são tão importantes para os filhos, como para os pais, pois permite-lhes analisar e decidir em conjunto.



Em qual das seguintes situações se revê? Escolha a(s) hipótese(s) mais adequada(s) ao seu caso.

A. O seu filho(a) concluiu o 9º ou 12º ano, com sucesso, e vai transitar para o Secundário ou para a Faculdade, sem problemas ou dificuldades. 
Dever cumprido. Como pai, ou mãe, sente-se feliz, orgulhoso e realizado.
Contudo, quer tenha terminado o 9º ou o 12º ano e pretenda candidatar-se a um Curso Universitário, público ou privado, agora ou no futuro, esta é a altura ideal para definir qual a área onde deve inscrever-se, no caso de ter terminado o 9º ano, ou a que Curso e/ou Faculdade se deve candidatar, se concluiu, com sucesso o 12º ano.
Para tal, poderá consultar o Portal - Dados e Estatísticas de Cursos Superiores

B. O seu filho(a) concluiu o  12º ano, com sucesso, ou já frequentou um curso superior, mas acabou por desistir,  e gostaria de ir/voltar para a Faculdade.
Como pai, ou mãe, sente-se orgulhoso mas, também, triste e impotente, pois não lhe parece que a sua situação financeira atual lhe permita realizar tal investimento.
Se continuar a estudar é mesmo o sonho do seu filho(a) e se ele tem bom aproveitamento escolar, antes de desistir dessa ideia, por dificuldades financeiras, consulte toda a informação e legislação disponível.


  1. O aluno deve candidatar-se na DGES, para o Curso e Faculdade que pretende e, simultaneamente, candidatar-se a Bolsa   
a.    Caso os pais tenham dívidas à Segurança Social ou às Finanças, essa situação não terá, de acordo com a nova Lei, qualquer influência na atribuição da bolsa. Somente se existirem dívidas, a essas entidades, do próprio candidato é que este perde o direito à Bolsa, se não regularizar as mesmas durante o período em que a candidatura se encontra em análise;
b. Caso o rendimento do Agregado Familiar seja superior aos valores considerados admissíveis para a atribuição de Bolsa, mas exista uma situação de insolvabilidade financeira, desse Agregado, passível de ser comprovada perante os SAS – Serviços de Ação Social (da Universidade ou Instituto Politécnico a que se candidata), estes Serviços poderão reapreciar a Candidatura.
c. Em qualquer caso, os SAS podem ser contactados por telefone, email ou diretamente nos seus Serviços, sempre que o processo de candidatura suscite dúvidas ao Candidato.
d. Se a Candidatura à Bolsa for indeferida, mesmo depois de terem sido apresentados os comprovativos de insolvabilidade do Agregado Familiar, o Aluno pode ainda recorrer a:

·   Bolsas Consciência Social, caso se esteja a candidatar a uma das Faculdades da Universidade de Lisboa, ou programas afins de outras Universidades;
· Crédito para Estudantes do Ensino Superior - CGD - MONTEPIO - ou outros;
·   Um trabalho em part-time.

  1. Os Candidatos, que tenham que se deslocar da sua zona de residência e necessitem de Alojamento, deverão candidatar-se aos Alojamentos Universitários, através dos SAS da Universidade/Instituto Politécnico a que se candidatam, nas datas previstas para o efeito. 

  1. Os Candidatos que tenham, por qualquer razão, abandonado os estudos universitários e pretendam regressar para terminar a sua formação, ou realizar uma outra, poderão recorrer à medida RETOMAR.

C. O seu filho(a) está na Faculdade, tem um bom aproveitamento e agora vai fazer Erasmus. 
Como pai, ou mãe, sente-se feliz, orgulhoso e apreensivo. Pela primeira vez, o seu filho(a) vai estar longe e sozinho, por um tão longo período de tempo.
Consulte informação relevante em ERASMUS MUNDUS e ERASMUS.

D. O seu filho(a) terminou um Curso Universitário com sucesso e já arranjou trabalho, na área do curso. Nesse caso ele(a) iniciou uma nova etapa  na vida que, à partida, lhe poderá garantir a independência, o sustento e a realização profissional.  Como pai, ou mãe, sente-se feliz e orgulhoso.
            
E. O seu filho(a) terminou o Curso Universitário com sucesso e já arranjou trabalho, mas este nada tem a ver com a sua área de estudos. 
Como pai, ou mãe, sente-se feliz e orgulhoso, mas, também revoltado por, depois de tanto investimento de tempo, dinheiro e estudo, o seu filho(a) não encontrar trabalho adequado à sua formação. 
O fundamental é que o seu filho(a) não desista de procurar um trabalho que o realize, ao mesmo tempo que, enquanto não o consegue, tem uma forma de se sustentar e ser independente
Existem informações, questões e regras importantes para quem se encontra numa procura ativa de emprego, as quais podem ser consultadas nos seguintes sites:
  1. OFERTAS DE EMPREGO/VOLUNTARIADO E REDES DE APOIO À INTEGRAÇÃO NA VIDA ATIVA
  2. O CURRICULUM VITAE
  3. A CARTA DE MOTIVAÇÃO /APRESENTAÇÃO
  4. ENTREVISTA DE TRABALHO - 4 PERGUNTAS
  5. ENTREVISTA DE EMPREGO - TALENTO
  6. MEXXER
  7. A IMPORTÂNCIA DO CURRICULUM
  8. IEFP - Instituto de Emprego e Formação Profissional

É muito importante que o candidato se  inscreva e/ou consulte diariamente as ofertas nas Agências de Emprego (através deste link encontrará acessos para as agências mais cotadas, no país.), bem como  no  IEFP e no Netempregos do IEFP.
Não desista. Não deixe que o seu filho(a) desista. A desistência é o único caminho que o irá conduzir sempre ao fracasso.

F. O seu filho(a) terminou o Curso Universitário com sucesso, mas vai partir para o estrangeiro, para realizar um estágio ou procurar emprego, porque há poucos empregos em Portugal e, também, porque essa experiência o valorizará, lhe dará maiores conhecimentos e é importante em termos de Curriculum
Como pai, ou mãe, sente-se feliz, orgulhoso e, ainda que considere que esta será uma etapa muito importante na vida do seu filho(a), sente-se, também, apreensivo, um pouco abandonado e revoltado, por depois de tanto investimento de tempo, dinheiro e estudo, não haver trabalho para o seu filho(a), no país que o viu nascer. No fundo, nem tem bem a certeza se ele(a) algum dia voltará definitivamente para o país.
Através dos seguintes Portais e Sites pode adquirir diversas informações que serão um valioso auxilio na tomada de decisões e para a integração, profissional e social, do seu filho(a), no país para onde se irá deslocar:




D. O seu filho não conseguiu concluir o 9º ou 12º ano. Como pai, ou mãe, sente-se:
  1. Normal. Afinal você também estudou pouco e não podem ser todos doutores;
  2. Desiludido e apreensivo. Não foi nada disso que você sonhou para ele(a) e, pelo menos, é imperativo que ele(a) conclua a escolaridade obrigatória;
  3. Preocupado perante um desafio para o qual não se sente minimamente preparado;
Na verdade, temos todos os mesmos direitos e deveres, mas não somos todos iguais. Por essa razão, existem diversas alternativas que dão equivalência ao 9º ou 12º ano (escolaridade obrigatória), em diferentes escolas ou centros de formação.
Observe o seu filho(a), tente entendê-lo, compreender quais são as suas dificuldades, para que coisas tem mais jeito, apetências e gosto.
O seu filho não gosta de nada, nem quer fazer nada, além de estar agarrado aos jogos de computador, a jogar à bola ou a fazer disparates com os amigos.
Observe o seu filho(a). Tente compreendê-lo. Fale com ele(a). mantenha uma postura aberta, mas firme e consequente. Mostre o seu interesse e preocupação, mas mostre-lhe que acredita nele(a), diga-lhe que ele é capaz, incentive-o(a) a descobrir em que área gostaria de trabalhar ou estudar. Em conjunto irão certamente encontrar uma solução. Consulte a OFERTA e informações disponíveis "EDUCAÇÃO - TEMPO DE ESCOLHAS E PROJETOS - QUE FUTURO?".

Atualmente, é imprescindível concluir a escolaridade obrigatória para que seja possível realizar a candidatura, praticamente, a qualquer tipo de emprego.
Os conhecimentos, competências e capacidades são tanto mais valorizados, quanto maior for a capacidade de os transferir para diferentes atividades profissionais.
De facto, não é necessário, nem desejável que todos sejam "doutores", mas é imperativo que todos adquiram certificações e competências, para que lhes seja possível exercer uma atividade profissional e sobreviver.
O apoio e interajuda das famílias é fundamental, tanto como o conhecimento da Oferta e das Medidas e Apoios disponibilizados pelas diferentes entidades vinculadas à Educação e ao Emprego.
Mas, a Sociedade Civil e todos e cada um de nós podemos contribuir para uma verdadeira evolução da educação e da empregabilidade, o que é o mesmo que dizer da sociedade em que vivemos


Comentários

Mensagens populares deste blogue

CADERNO DE DUAS LINHAS

O SOBREIRO

LÍDERES E LIDERADOS