Num Mundo Paralelo

Arte Edvard Munch
Antigamente, as pessoas, crianças ou adultos, com deficiências ou atrasos mentais, determinadas deformações físicas, ou comportamentos considerados aberrantes, ou fora  dos parâmetros considerados normais, eram afastadas da sociedade, mantidas encarceradas ou, pelo menos, longe do olhar dos estranhos. Alternativamente, eram o alvo da troça e escárnio das comunidades em que viviam ou, até mesmo, expostas em feiras, como animais exóticos, para espanto e gáudio da populaça.  
Neste, como em muitos outros aspetos, as sociedades evoluíram. Progressivamente, a maioria destas pessoas começaram a integrar-se e a ser aceites. Embora, ainda persista certa dificuldade de aceitação por uma parte considerável da sociedade.
Esta dificuldade de aceitação deve-se principalmente à estranheza e algum temor que algumas pessoas sentem relativamente a estes seres humanos especiais, motivada, acima de tudo, pela falta de conhecimento e informação.
Ainda que, todos nós, nas primeiras vezes que entramos em contacto com estas pessoas especiais, possamos ter sentimentos e atitudes algo dicotómicas e / ou de rejeição, pois o que é diferente causa, quase sempre, uma certa apreensão e incompreensão.
O autismo é, sem dúvida, um dos fenómenos mais complexos e difíceis de compreender, até porque é extraordinariamente complicado entrar em contacto ou estabelecer qualquer tipo de empatia ou comunicação com as pessoas que sofrem desta disfunção.
O visionamento do vídeo, que ora partilho, poderá ser um valioso auxiliar para o processo de entendimento destas pessoas tão especiais.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

CADERNO DE DUAS LINHAS

O SOBREIRO

LÍDERES E LIDERADOS